Criatividade: Uma competência em desenvolvimento

Como falamos na semana passada, a competência criatividade faz parte de um processo continuo de desenvolvimento. Por isso o assunto tem sido cada vez mais abordado no contexto empresarial. Através do tempo, que era considerado um “pensamento criativo”, visto como inspiração divina tornou-se uma competência valorizada dentro das organizações. Mas como se deu essa transformação?

O Caminho humano de viver, conviver e sobreviver, é permeado de ações criativas conscientes e inconscientes. Esse potencial criativo é inato em todo ser humano, porém ele se ensina e se aprende. Trata-se de uma competência pessoal valorizada atualmente e exigida constantemente em processos seletivos.

E como desenvolvemos essa habilidade?

No pessoal, definimos Criatividade como estratégia para viver melhor, para uma qualidade de vida que diria razoável, além de identificar potenciais, descobertas internas que foram abafadas pelos processos familiares educacionais e empresariais, assim pelo tempo. Outro aspecto está relacionado com a garantia da nossa empregabilidade, entendendo como fonte de renda, como funcionário, profissional autônomo ou empresário. Vivemos num mundo de mudanças, aprimoramento, riscos e oportunidades. Melhoria nos nossos relacionamentos interpessoais, através do reconhecimento e aproveitamento da diversidade, respeitando as mais diversas formas de pensamento e das diferenças individuais.

Profissionalmente, a Criatividade é a busca de um diferencial, oferecendo algo mais do que o cliente espera, é a possibilidade de atrair preferências, estabelecer estratégia diferenciada, adaptar-se às necessidades, modificar produtos e buscar soluções para os problemas, fugindo do convencional, e assim diferenciando-se dos concorrentes. Também é a forma de traçar uma estratégia competitiva, não somente por criar ou inovar produtos, mas também a quebra de paradigmas, mudanças de pensamentos, comportamentos etc. Todas as idéias, produtos e serviços criativos poderão ser transformados em algo positivo para a organização. A melhoria dos seus produtos, assim como a criação de novos. Busca de resultados diferentes do passado.

Melhoria do relacionamento humano interno consequentemente o aumento da produtividade.

Estamos acostumados a considerar a criatividade como algo pessoal e intransferível. A criatividade humana não é temporal. Trata-se de um patrimônio do ser humano compartilhado pela sociedade.

Como a organização existe para servir a sociedade, nada mais justo do que desenvolver a criatividade como garantia para superação da expectativa do cliente em relação à sua empresa.

Quer saber mais sobre criatividade? Acompanhe nosso blog!


DESTAQUES
POSTS RECENTES
TAGS
Nenhum tag.

Linus RH | Alameda Santos, 200 cj. 61 São Paulo | SP 11 3587 1950

Saiba mais sobre oportunidades e serviços em www.linus.com.br

  • Facebook App Icon
  • Twitter Classic
  • LinkedIn App Icon